Pare de tentar isolar os músculos do CORE!

Pra quem só tem martelo, todo problema é um prego.

Ditado popular.

Na década de 90, o martelo era a ativação do transverso abdominal e o prego era a dor lombar. Paul Hodges e outros pesquisadores descobriram um atraso no tempo de ativação do transverso do abdome em -20 ms (milissegundos). A hipótese sugeria que esse atraso no tempo era uma das “causas” da dor lombar. A partir dessa hipótese propuseram o método da estabilização segmentar para restabelecer esse tempo de ativação, através da ativação isolada dos músculos, e melhorar a dor lombar (1,2,3).

Pois muito bem, alguns anos depois, descobriu-se que o transverso do abdome não é mais tão importante assim. A dor lombar é multifatorial (4), o tempo de atraso na ativação seria mais uma consequência, e não uma causa (5,6,7), mas de forma geral:

1) Não dá pra isolar o transverso, a ativação acontece de forma sinérgica com outros músculos;

2) O transverso não se ativa de forma bilateral e uniforme, ele ativa-se de forma assimétrica e não uniforme;

3) O transverso não se ativa independente da direção e do movimento, ele precisa de uma tarefa e uma direção específica para atuar (8-19);

Dito isso, quero afirmar também que a maioria dos estudos iniciais sobre o tema eram estudos transversais, com uma amostra muito pequena, o que não permite extravasar esses dados para a prática clínica sem estudos clínicos de boa qualidade. Obviamente que existem estudos clínicos mostrando que a ativação do CORE, de uma forma geral, ajuda na dor lombar. Existe um momento e critérios para se utilizar a técnica (20), mas a questão “ativação isolada”, já caiu por terra faz tempo.

Se os 11 estudos refutando a hipótese do “isolamento do transverso”, citados anteriormente, não são o suficiente para lhe convencer a PARAR de tentar isolar os músculos do CORE, leia a revisão sistemática que mostrou que “mudanças temporais na ativação ou na morfometria do transverso abdominal não estão associadas às mudanças correspondentes nos resultados clínicos”, ou seja, tentar isolar a ativação muscular, para diminuir o atraso no tempo de ativação do transverso, não faz sentido para uma melhora clínica do paciente (21). Se isso ainda não é o suficiente para você, tem o vídeo do próprio Paul Hodges (22) e um excelente editorial (23), em que ele assume que toda a questão do transverso foi um “exagero por parte da ciência”, e que já voltou atrás nisso. Se você continua não acreditando… bom… os vendedores de martelos agradecem.

Em três semanas será lançado o novo curso “Controle Motor e Dor Lombar – Critérios Gerais de Prescrição”, onde falarei mais sobre esse e outros assuntos. Clique aqui para receber o pré-lançamento antes de todo mundo!

Aprenda a ter um raciocínio científico na prescrição de exercícios para seus pacientes com dor lombar. Conheça a proposta de formação da dor lombar baseado em evidências. Clique aqui para conhecer os cursos.

REFERÊNCIAS

1 Hodges PW, Richardson CA. Inefficient muscular stabilization of the lumbar spine associated with low back pain. A motor control evaluation of transversus abdominis. Spine (Phila Pa 1976). 1996 Nov 15;21(22):2640-50.

2 Hodges PW, Richardson CA. Delayed postural contraction of transversus abdominis in low back pain associated with movement of the lower limb. J Spinal Disord. 1998 Feb;11(1):46-56.

3 Hodges PW, Richardson CA. Altered trunk muscle recruitment in people with low back pain with upper limb movement at different speeds. Arch Phys Med Rehabil. 1999 Sep;80(9):1005-12.

4 Richmond, J. Multi-factorial causative model for back pain management; relating causative factors and mechanisms to injury presentations and designing time- and cost effective treatment thereof. Medical Hypotheses 79 (2012) 232–240

5 Moseley, G.L., et al. The threat of predictable and unpredictable pain: differential effects on central nervous system processing? Aust. J. Physiother. 49 (4), 263-267. 2003.

6 Moseley, G.L., Hodges, P.W., Gandevia, S.C.External perturbation of the trunk in standing humans differentially activates components of the medial back muscles. J. Physiol. 547 (Pt 2), 581-587. 2003.

7 Moseley, G.L., Nicholas, M.K., Hodges, P.W.. Pain differs from non-painful attention-demanding or stressful tasks in its effect on postural control patterns of trunk muscles. Exp. Brain Res. 156 (1), 64-71. 2004.

8 Urquhart DM, Hodges PW, Allen TJ, et al. Abdominal muscle recruitment during a range of voluntary exercises. Man Ther. 2005;10(2):144–53.

9 Urquhart DM, Hodges PW, Story IH. Postural activity of the abdominal muscles varies between regions of these muscles and between body positions. Gait Posture. 2005;22(4):295–301.

10 Urquhart, D.M., Hodges, P.W., 2005. Differential activity of regions of transversus abdominis during trunk rotation. Eur. Spine J. 14 (4), 393e400.

11 White SG, McNair PJ. Abdominal and erector spinae muscle activity during gait: the use of cluster analysis to identify patterns of activity. Clin Biomech. 2002;17(3):177–84.

12 Allison GT, Morris SL. Transversus abdominis and core stability: has the pendulum swung? Br J Sports Med. 2008;42(11):630–1.

13 Allison GT, Morris SL, Lay B. Feedforward responses of transversus abdominis are directionally specific and act asymmetrically: implications for core stability theories. J Orthop Sports Phys Ther. 2008;38(5):228–37.

14 Morris SL, Lay B, Allison GT. Corset hypothesis rebutted— transversus abdominis does not co-contract in unison prior to rapid arm movements. Clin Biomech. 2012;27(3):249–54.

15 Morris SL, Lay B, Allison GT. Transversus abdominis is part of a global not local muscle synergy during arm movement. Hum Mov Sci. 2013;32(5):1176–85.

16 Tokuno CD, Cresswell AG, Thorstensson A, et al. Recruitment order of the abdominal muscles varies with postural task. Scand J Med Sci Sports. 2011;23(3):349–54.

17 Cholewicki, J., Ivancic, P.C., Radebold, A. Can increased intra-abdominal pressure in humans be decoupled from trunk muscle co-contraction during steady state isometric exertions? Eur. J. Appl. Physiol. 87 (2), 127-133. 2002.

18 Cholewicki, J., et al. Neuromuscular function in athletes following recovery from a recent acute low back injury. J. Orthop. Sports Phys. Ther. 32 (11), 568-575. 2002.

19 Bjerkefors A, Ekblom MM, Josefsson K, et al. Deep and superficial abdominal muscle activation during trunk stabilization exercises with and without instruction to hollow. Man Ther. 2010;15(5):502–7.

20 Qual paciente com dor lombar se beneficia da ativação do CORE? (Texto do blog)

21 Wong AY, Parent EC, Funabashi M, Kawchuk GN. Do Changes in Transversus Abdominis and Lumbar Multifidus During Conservative Treatment Explain Changes in Clinical Outcomes Related to Nonspecific Low Back Pain? A Systematic Review. J Pain. 2014 Apr;15(4):377.e1-35.

22 https://www.youtube.com/watch?v=yn7aOttX3YQ (YouTube)

23 Hodges P. Transversus abdominis: a different view of the elephant. Br J Sports Med December 2008 Vol 42 No 12

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close