O jeito que seu paciente senta influencia a dor lombar?

Já sabemos que sentar não causa dor lombar. Escrevi uma postagem há um tempo atrás sobre isso. E a literatura já mostrou que não existe associação a longo prazo entre o tempo total sentado, dor lombar e hérnia de disco (1).

Mas alguns estudos sugerem que existe uma associação entre a forma que determinadas pessoas sentam e a dor lombar crônica inespecífica, quando divide-se os pacientes em subgrupos específicos. Nestes estudos, ficar sentado com um padrão de extensão ativa, ou com um padrão de flexão estaria associado a dor lombar.

Indivíduos sentados com um padrão de extensão seriam mais predispostos a ter dor lombar, pois, manteriam-se ativamente na hiperextensão, excesso de lordose na lombar inferior, que potencialmente levariam a tensão e dor muscular na região (2, 3, 4).

Indivíduos com um padrão de flexão, seriam mais predispostos a dor lombar, pois, manteriam-se em excesso de flexão, mais cifóticos, mudando a distribuição pressórica entre os discos e as articulações zigoapofisárias, gerando stress mecânico nas mesmas (2, 3, 4, 5, 6, 7).

De forma geral, esses dois grupos de pacientes poderiam ter perdido um equilíbrio em torno da “zona neutra”, posicionando-se no fim dos espectros de cada amplitude de forma a economizar energia (8).

A avaliação de subgrupos tem se mostrado uma via cientificamente válida na prescrição mais direcionada de tratamento para dor lombar, então em um futuro próximo talvez exista uma forma fidedigna de avaliar a “função durante o sentar” das regiões intra-segmentares da lombar, em pacientes com dor lombar crônica não-específica. Até o momento, nada disso foi provado, são apenas hipóteses em construção.

Algumas questões a serem enfatizadas:

1 Não é simplesmente o ficar sentado, mas sim, a forma que as pessoas ficam sentadas que poderia estar associado a dor lombar crônica não específica.

2 Os estudos são de sua maioria transversais, assim, não podemos dizer que existe associação a longo prazo ou muito menos causalidade envolvida.

3 Outro estudo (também transversal) mostrou que indivíduos sem dor lombar não sentam-se com uma postura alinhada, pelo contrário, sentam-se de forma desleixada (9). Isso pode significar que talvez existam padrões que demonstrem funcionalmente uma disfunção, mas talvez não exista um padrão que causa a disfunção (são necessários estudos longitudinais para descobrir isso), ou um padrão que trate a disfunção (são necessários estudos clínicos para descobrir isso).

4 Se já é difícil validar a avaliação da coluna como um todo, que dirá validar a avaliação intra-segmentar na lombar?

5 Na prática: se você quiser estudar esses artigos e adaptar na sua prática clínica, fique a vontade. Mas use com cautela.

Esse foi o último texto sobre a relação entre postura e dor lombar, e a primeira série do blog! Espero que você tenha gostado. Para ler os outros textos, clique aqui.

Mantenha-se atualizado sobre biomecânica e controle motor da coluna, recebendo conteúdo exclusivo por email! Clique aqui para se cadastrar.

REFERÊNCIAS

1 Balling M, Holmberg T, Petersen CB, Aadahl M, Meyrowitsch DW, Tolstrup JS.Total sitting time, leisure time physical activity and risk of hospitalization due to low back pain: The Danish Health Examination Survey cohort 2007-2008. Scand J Public Health. 2018 Feb 1:1403494818758843.

2 O’Sullivan PB. Lumbar segmental ‘instability’: clinical presentation and specific stabilizing exercise management. Man Ther 2000;5:2–12.

3 O’Sullivan P. Clinical instability of the lumbar spine: its pathological basis, diagnosis and conservative management. In Boyling JD, Jull G, eds. Grieve’s Modern Manual Therapy, 3rd ed. Amsterdam: Elsevier, 2005:311–22.

4 Dankaerts W, O’Sullivan P, Burnett A, Straker L. Differences in Sitting Postures are Associated With Nonspecific Chronic Low Back Pain Disorders When Patients Are Subclassified. SPINE Volume 31, Number 6, pp 698–704. 2006.

5 Burnett A, Cornelius M, Dankaerts W, et al. Spinal kinematics and trunk muscle activity in cyclists: a comparison between healthy controls and non-specific chronic low back pain subjects. Man Ther 2004;9:211–9.

6 O’Sullivan P, Mitchell T, Bulich P, et al. The relationship between posture, back muscle endurance and low back pain in industrial workers. Man Ther. 2006 Nov;11(4):264-71.

7 O’Sullivan P, Myers T, Jensen L, et al. Characteristics of children and adolescents with chronic non-specific musculo-skeletal pain. In: 8th International Physiotherapy Congress: Improving & Expanding Practice. Adelaide, Australia, 2004:120.

8 Panjabi MM. The stabilizing system of the spine: I. Function, dysfunction, adaptation, and enhancement. J Spinal Disord 1992;5:383–9; discussion 97.

9 Claus AP, Hides JA, Moseley GL, Hodges PW. Thoracic and lumbar posture behaviour in sitting tasks and standing: Progressing the biomechanics from observations to measurements. Appl Ergon. 2016 Mar;53 Pt A:161-8.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s