Existe associação entre problemas respiratórios e dor lombar?

Uma revisão sistemática demonstrou correlação entre dor lombar e doenças respiratórias como dispneia, asma, diferentes formas de alergia e infecções respiratórias (1).

Apesar de não inferir causalidade, e ser formada por estudos de maioria transversais, caso-controle e poucos estudos coorte longitudinais, essa revisão reforça a ideia do conceito de interdependência regional, onde uma região poderia afetar o funcionamento de outra (2). Nesse caso, uma disfunção respiratória, afetaria a dinâmica do músculo diafragma, que por sua vez, poderia interferir no controle motor da coluna lombar (3, 4, 5).

Enfatizo que ainda não existem estudos longitudinais ou clínicos de qualidade mostrando como intervenções no diafragma poderiam afetar a dor lombar, mas a base mecânica e psicossocial já está formada.

Basta respirar fundo, e aguardar as cenas dos próximos capítulos.

Aprenda a ter um raciocínio científico na prescrição de exercícios para seus pacientes com dor lombar. Conheça a proposta de formação da dor lombar baseado em evidências. Clique aqui para conhecer os cursos.

REFERÊNCIAS

1 Beeckmans N, Vermeersch A, Lysens R, Van Wambeke P, Goossens N, Thys T, Brumagne S, Janssens L. The presence of respiratory disorders in individuals with low back pain: a systematic review. Man Ther. 2016 Dec;26:77-86

2 Wainner RS, Whitman JM, Cleland JA, Flynn TW. Regional interdependence: a musculoskeletal examination model whose time has come. J Orthop Sports Phys Ther. 2007;37(11):658–660

3 Hodges PW, Gandevia SC. Changes in intra-abdominal pressure during postural and respiratory activation of the human diaphragm. J Appl Physiol. 2000;89(3):967-76.

4 Hodges PW, Heijnen I, Gandevia SC. Postural activity of the diaphragm is reduced in humans when respiratory demand increases. J. Physiol. 2001 Dec 15;537(Pt 3):999-1008.

5 Smith MD, Russell A, MedStat M,Hodges PW. The Relationship Between Incontinence, Breathing Disorders, Gastrointestinal Symptoms, and Back Pain in Women. Clin J Pain 2014;30:162–167

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close