Atividade física correta e a aderência ao tratamento da dor lombar

Exercício é um tratamento popular para a dor lombar por que é relativamente barato, não-invasivo e provê uma abordagem ativa para o paciente (1). A maioria das diretrizes para dor lombar aguda ou crônica foca em conselhos para aumentar a atividade física ou têm atividade física no núcleo (2, 3, 4).

Mas o exercício na dor lombar é subutilizado, e o valor potencial da atividade física para a saúde da coluna não está sendo realizado. Um dos fatores que estão favorecendo isso é a “preocupação com a atividade física correta” (5, 6).

Embora muitos profissionais de saúde preguem com confiança os benefícios da atividade física para a saúde geral, essa confiança parece ser substituída por uma pausa ou pânico ao aconselhar um indivíduo com dor lombar (7).

Frases ou palavras que geram expectativa negativa (nocebo), acabam restringindo a quantidade e os tipos de atividade física nas quais as pessoas com dor lombar participam (5, 8, 9). Se de um lado o profissional incentiva o exercício, do outro ele impede a aderência pelo indivíduo com dor impondo diversas regras. É preciso cuidado para não demonizar atividades que não são perigosas, pois isso poderia gerar medo e aumentar a rigidez ao redor da coluna vertebral (10, 11). A ênfase no exercício “correto” – geralmente uma forma complexa apenas um fisioterapeuta pode entregar – complica desnecessariamente as coisas (5).

Os argumentos clínicos ainda continuam sendo o de “procurar o melhor exercício”, “encorajar uma boa postura” ou “ativar o CORE em diversos momentos”, apesar de não existir evidência conclusiva sobre a superioridade de nenhuma intervenção particular para dor lombar, além de diversas evidências demonstrando efeitos semelhantes em diferentes exercícios para dor lombar (12, 13, 14, 15, 16, 17).

Sem utilizar o denominador comum do exercício, a prática baseada em evidência, será difícil os profissionais de saúde modificarem o comportamento e adesão dos indivíduos que sofrem com dor lombar.

Receba as novidades de ciência e saúde por email! Clique aqui para se cadastrar!

REFERÊNCIAS

1 Campello M, Nordin M, Weiser S. Physical exercise and low back pain. Scand J Med Sci Sports 1996: 6: 63-72.0.

2 Delitto A, George SZ, Van Dillen L, Whitman JM, Sowa GA, Shekelle P, Denninger TR, Godges JJ. Low Back Pain. Clinical Practice Guidelines Linked to the International Classification of Functioning, Disability, and Health from the Orthopaedic Section of the American Physical Therapy Association. J Orthop Sports Phys Ther. 2012;42(4):A1-A57.

3 Qaseem A, Wilt TJ, McLean RM, Forciea MA. Noninvasive Treatments for Acute, Subacute, and Chronic Low Back Pain: A Clinical Practice Guideline From the American College of Physicians. Ann Intern Med. 2017 Apr 4;166(7):514-530

4 Chou R, Deyo R, Friedly J, Skelly A, Hashimoto R, Weimer M, Fu R, Dana T, Kraegel P, Griffin J, Grusing S, Brodt ED. Nonpharmacologic Therapies for Low Back Pain: A Systematic Review for an American College of Physicians Clinical Practice Guideline. Ann Intern Med. 2017 Apr 4;166(7):493-505

5 O’Keeffe M, Maher C, O’Sullivan K. Unlocking the potential of physical activity for back health. Br J Sports Med 2017;0:1–2.

6 Liddle SD, David Baxter G, Gracey JH. Physiotherapists’ use of advice and exercise for the management of chronic low back pain: A national survey. Man Ther. 2009 Apr;14(2):189-96.

7 Darlow B, Fullen BM, Dean S, et al. The association between health care professional attitudes and beliefs and the attitudes and beliefs, clinical management, and outcomes of patients with low back pain: a systematic review. Eur J Pain 2012;16:3–17.

8 Daykin AR, Richardson B. Physiotherapists’ Pain Beliefs and Their Influence on the Management of Patients With Chronic Low Back Pain. SPINE Volume 29, Number 7, pp 783–795.

9 Darlow B, Dowell A, Baxter GD, Mathieson F, Perry M, Dean S. The Enduring Impact of What Clinicians Say to People With Low Back Pain. Ann Fam Med. 2013 Nov-Dec;11(6):527-34

10 Karayannis NV, Smeets RJ, van den Hoorn W, et al. Fear of movement is related to trunk stiffness in low back pain. PLoS ONE. 2013; 8(6): e67779.

11 Massé-Alarie H, Beaulieu LD, Preuss R, et al. Influence of chronic low back pain and fear of movement on the activation of the transversely oriented abdominal muscles during forward bending. J Electromyogr Kinesiol. 2016; 27: 87-94.

12 Saragiotto BT, Maher CG, Yamato TP, et al. Motor control exercise for chronic non-specific low-back pain. Cochrane Database Syst Rev 2016;(1):CD12004.

13 Meng XG, Yue SW. Efficacy of aerobic exercise for treatment of chronic low back pain: a meta-analysis. Am J Phys Med Rehabil. 2015 May;94(5):358-65.

14 Vanti C, Andreatta S, Borghi S, Guccione AA, Pillastrini P, Bertozzi L.The effectiveness of walking versus exercise on pain and function in chronic low back pain: a systematic review and meta-analysis of randomized trials. Disabil Rehabil. 2017 Dec 5:1-11.

15 Hayden JA, van Tulder MW, Tomlinson G. Systematic review: strategies for using exercise therapy to improve outcomes in chronic low back pain. Ann Intern Med. 2005;142(9):776- 785.

16 van der Velde G, Mierau D. The Effect of Exercise on Percentile Rank Aerobic Capacity, Pain, and Self-Rated Disability in Patients With Chronic Low-Back Pain: A Retrospective Chart Review. Arch Phys Med Rehabil Vol 81, November 2000

17 Hayden J, van Tulder MW, Malmivaara A, Koes BW. Exercise therapy for treatment of non-specific low back pain. Cochrane Database of Systematic Reviews 2005, Issue 3.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s