Quando um paciente com dor lombar deve ser internado?

Apenas em casos de patologia grave como causa da dor lombar (ruptura do aneurisma da aorta abdominal, hemorragia retroperitoneal, abscesso epidural, fratura vertebral, síndrome de cauda equina), a admissão é apropriada. No entanto, já sabemos que apenas uma porcentagem muito pequena de pacientes com dor lombar que aparecem a emergência tem uma patologia grave suspeita (menos de 10%).

Na Austrália, as taxas de internação são maiores do que o esperado, o que sugere que as diretrizes de atendimento na dor lombar não são seguidas, tanto que 34% das avaliações de dor lombar na emergência levaram pacientes a serem internados no hospital. No entanto, 59% das pessoas admitidas foram diagnosticadas com transtornos da coluna vertebral não-cirúrgicos, cujas diretrizes sugerem que são melhor atendidas na atenção primária.

Não encontrei dados como esses para o Brasil, mas desconfio que aqui a porcentagem de internação seja um pouco menor, oque não significa que o atendimento é melhor. Sabemos que os hospitais públicos tendem a descartar rapidamente pacientes com dores musculoesqueléticas que aparecem na emergência, por conta da falta de leitos suficientes, excesso de pacientes ou falta de profissionais para realizar uma boa avaliação. Ocorre um processo inverso por aqui, o paciente com um problema gravíssimo (que é raro), corre o risco de ter um diagnóstico mal realizado e ser enviado para casa com uma condição de internação.

No fim, o paciente com dor lombar específica e com dor lombar não-específica no Brasil é tratado da mesma forma: radiografia, analgésicos, informações em excesso e repouso. As diretrizes científicas também não são seguidas. As evidências são aplicadas em pouquíssimos casos, em alguns hospitais particulares ou no consultório. E a população no meio disso tudo, segue aprendendo informações erradas sobre dor lombar nos meios de comunicação… até quando?

REFERÊNCIAS

1 Machado GC, Rogan E, Maher CG. Managing non-serious low back pain in the emergency department: Time for a change? Emerg Med Australas. 2017 Nov 16.

2 McCaughey EJ, Li L, Georgiou A, Golding MHG, Westbrook JI. Imaging for patients presenting to an emergency department with back pain: impact on patient pathway. Emerg. Med. Australas. 2016; 28: 412–8.

3 Qaseem A, Wilt TJ, McLean RM, Forciea MA, for the Clinical Guidelines Committee of the American College of Physicians. Noninvasive treatments for acute, subacute, and chronic low back pain: a clinical practice guideline from the American College of Physicians. Ann. Intern. Med. 2017; 166: 514–30.

4 National Institute for Health and Care Excellence. Low Back Pain and Sciatica in over 16s: Assessment and Management. London: NICE, 2016.

5 Thiruganasambandamoorthy V, Turko E, Ansell D, Vaidyanathan A, Wells GA, Stiell IG. Risk factors for serious underlying pathology in adult emergency department non-traumatic low back pain patients. J. Emerg. Med. 2014; 47: 1–11.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close